• Marcos Garcia

Qual é a minha forma?



Vivemos em uma sociedade hoje que mais do que nunca faz compras pela internet. Por isso é fundamental saber qual é o seu numero, por exemplo, de sapatos, no Brasil, USA, Europa são números diferentes, medidas diferentes. De igual forma, comprar uma roupa pela internet é um desafio, pois você não poderá experimentar, precisa saber qual é seu numero. Somos pessoas únicas, cada um tem uma “forma” especial, mas todos nós temos o DNA celestial, uma marca única daquele e daquela criado a imagem e semelhança de Deus. Por isso é fundamental saber quais os valores que permeiam sua vida. O que tem dado forma a sua vida e maneira de ser.

O tema desta edição da Revista Lar Cristão é o combate a corrupção. Encontramos em Romanos 12.1-2, “Rogo-vos, pois, irmãos, que apresentemos o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável ao Senhor, que é vosso culto racional. E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade Deus”. O texto bíblico apresenta para nós um elemento balizador. Um referencial para nosso culto a Deus. Um culto racional, ou seja, nós sabemos o que estamos fazendo e a quem estamos adorando. Por isso nosso culto está ligado a nossa pratica de vida. Às vezes fico aborrecido quando alguns ministros de louvor iniciam a ministração dizendo: agora vamos nos esquecer dos nossos problemas, dificuldades, para adorar ao Senhor. Nossa adoração parte das nossas lutas e desafios, mesmo em meio a elas, somos adoradores. Porque estou falando sobre isso? É que o combate a corrupção nasce dentro de casa. Ninguém imagino eu, começa uma vida de corrupção corrompendo-se com milhões de dólares. De alguma forma, ele já viu isso em casa, próximo dele, em sua formação.

Quero dar alguns pequenos exemplos, quando pagamos para facilitar nossa vida, não queremos ficar em uma fila. Usamos dos nossos contatos para conseguir um lugar primeiro, ou até mesmo de destaque. Isto pode se aplicar a uma vaga em creche, ou escola publica, até mesmo em algumas privadas. Para não pagarmos uma multa, oferecemos uma “caixinha” para o guarda. Colocamos uma nota na mão de alguém para que ele nos conduza para dentro, quando não haveria mais lugar. Pagamos para alguém assumir nossas multas para não ficarmos sem nossa certeira de habilitação. Não estou falando de milhares ou milhões de dólares. Estou falando sobre “colar” nas provas, fraudar concursos, entrar “pela porta dos fundos”. Estou escrevendo aqui sobre a corrupção que nosso cônjuge ou nossos filhos estão assistindo em nossas vidas. Ainda contamos vantagem dizendo que conseguimos burlar a lei. O texto bíblico diz que precisamos renovar a nossa mente e não nos conformarmos com este século, ou seja, não tomar a forma deste século. O fato de termos, por exemplo, noticias diárias sobre corrupção na política e nos negócios não nos autorizam a fazer o mesmo. Esta é a grande desculpa dos nossos dias: todo mundo faz.

Minha filha esta tirando carteira de habilitação, foi reprovada no primeiro exame, a primeira sugestão: tem um caminho mais curto. Ela com certeza terá mais despesas, mas disse que não aceitaria o atalho oferecido. Por quê? Ela aprendeu em casa, quais os valores que norteiam nossas vidas e o desejo de a cada dia nos parecermos mais com Cristo. Meu filho em seu primeiro emprego foi assediado e disse não, seus valores, as educação falou mais alto. Alguns anos atrás, em função de pontos de multas em minha carteira, ela foi suspensa e precisei entregar no Detran e fiquei três meses sem minha carteira. A senhora que me atendeu como despachante me disse, sei que o senhor é pastor, mas eu tenho que perguntar: o senhor vai fazer tudo direitinho? Eu poderia até dizer: Deus o Senhor sabe o quanto é importante para mim a carteira, para realizar o ministério. A tentação existe. Mas não podemos ceder. Meus filhos e minha esposa acompanharam o período sem carteira, o fazer aulas e exames. Mas entenderam que não poderia haver atalhos. Eu prego sobre isso na igreja dominicalmente. Peço para que os pais não ensinem seus filhos a andar em corrupção e pecado.

Precisamos educar nossos filhos e filhas na perspectiva de que corrupção pode ser comum, mas não é normal, é pecado. Ofende o culto prestado a Deus. Não existe a possibilidade de realizarmos a vontade de Deus e experimentarmos sua boa e perfeita vontade para nossas vidas se vivemos em um ambiente de pratica da corrupção. Será que seus filhos e filhas tem aprendido isso com você? Certa ocasião presenciei um pai dizendo para seu filho: quem não cola não sai da escola. E dizia: eu mesmo filho se não tivesse colado não chegaria onde estou. Qual será a forma do caráter dessa criança no futuro? Você já imaginou seu filho ou sua filha ser capa de jornal, primeira pagina, em prisão por corrupção? Se não deseja isso para eles, comece hoje ensinando os valores do Reino de Deus, a importância de se parecerem com o caráter de Cristo. Isso fará toda a diferença na vida dos seus filhos hoje, mas em especial no futuro. Nossos filhos podem até se desviar ou escolher andar por caminhos tortuosos, mas não porque nós não ensinamos.

Ao contrario, são os valores do Reino que vão direcionar nossos filhos para o futuro, mas muito mais do que isso para a eternidade. Que a nossa “forma” de fato seja os valores do Reino de Deus para nossas vidas e para nossos familiares. Eduque seu filho, sua filha, discipline hoje, ensine que não é possível ter tudo, e que pecado não tem castigo, tem conquencia. Se pecar, haverá conseqüências, poderá até escapar da justiça humana, pois é limitada, mas não da justiça divina. A eternidade dos nossos filhos poderão estar em risco dependendo do nosso testemunho e ensino. Mais uma vez, corrupção é comum, mas não é normal. É pecado. Pratique isso, seja integro e irrepreensível na presença de Deus e desta geração que estamos vivendo. Que sua vida seja um culto racional a Deus, pela coerência e certeza que tem ensinado em casa aos seus filhos e filhas a se desviarem do pecado e da corrupção.

#corrupção

7 visualizações0 comentário
  • Twitter Clean
  • w-facebook