• Jaime Kemp

Você é muito especial


Não posso negar que meu pai cometeu equívocos como marido e pai. Porém, ele trabalhava arduamente e sempre foi fiel no sustento da sua família. Ele recebia 2,75 dólares por hora para trabalhar duro na serralheria. O salário mal dava para sustentar sua mulher e os sete filhos.


Muitos reclamam que os pais não dão a eles tudo o que gostariam. Mas será que alguma vez já avaliaram a luta que os pais enfrentam para prover o sustento necessário? Será que consideraram o fato que eles estão sempre dispostos a se privar de algo em benefício deles, e como se alegram quando podem lhes oferecer algo que desejam ou esperam? Muitos filhos não sabem ser gratos aos pais pelo muito que fazem por eles.


Quem sabe Deus está lhe proporcionando uma oportunidade para modificar seu modo de agir em relação aos seus pais?


Olhar os pais com os olhos de Cristo: com compaixão e compreensão


Quando os escribas e os fariseus levaram uma mulher adúltera até Jesus para acusá-la na frente de todos sugerindo que ela fosse apedrejada, ele disse calmamente: “Quem de vocês estiver sem pecado, que seja o primeiro a atirar uma pedra nesta mulher!”. Ao ouvirem a resposta de Cristo, cada um foi embora quieto, sem ter o que dizer. Então Jesus olhou para a mulher adúltera e disse: “Mulher, onde estão todos eles? Não ficou ninguém para condenar você?... Pois eu também não condeno você. Vá e não peque mais!” (João 8.3-11 – NTLH)


E é também com esse olhar compassivo que ele olha para a sua vida e para a vida dos seus pais. Essa é a maneira como Cristo olha para todos nós. E ele quer que façamos o mesmo uns com os outros.


Isso exige certa maturidade espiritual e emocional. Muitos jovens (nem todos) costumam ser muito egoístas e não demonstram ter consideração e gratidão pelos pais e pelo que fazem por eles. Somente quando se tornam pais é que conseguem compreender e avaliar o quanto eles se empenharam para oferecer o melhor e como tentaram acertar no modo de agir.


Perdoar os pais como Cristo nos perdoa


Paulo nos exorta em Colossenses 3.13b com as seguintes palavras: “... Perdoem como o Senhor lhes perdoou”.


Nos aconselhamentos que realizo percebo como muitos filhos sofrem abusos do pai ou da mãe, do padrasto ou da madrasta. Noto que vários sentem imensa dificuldade em perdoar os pais ou outras pessoas, justamente porque sofreram abusos que marcaram suas vidas para sempre. Contudo, o que Deus ordena é específico. É algo difícil, doloroso, mas ele nos fornece a força, a sabedoria e motivação necessária para cumpria a sua Palavra.


Depois de acompanhar dezenas de casos de abusos de todo tipo, confesso que necessito fazer uma ressalva sobre a questão de perdoar quem nos tem ferido. Para isso, utilizarei uma história relatada no livro “The Wounded Heart” (O Coração Ferido), de Dan Allender.

“Esta é a história de um jovem que confrontou seu pai pelos abusos sexuais praticados contra ele no passado. O pai não quis admitir sua culpa, então o rapaz rompeu seu relacionamento com ele.

Alguém pode dizer que esse tipo de decisão desobedece à ordem de Deus de honrar pai e mãe, mas está enganado. O jovem deixou muito claro que estava disposto a reatar o relacionamento se o pai admitisse a sua culpa e se arrependesse. Ele já o perdoara, mas não podia aceitar que o pai continuasse pecando ao negar o abuso cometido”.


Há uma passagem bíblica, na verdade uma oração, que nos mantém em sintonia com o nosso Pai celestial para que ele nos ajude a conservar um coração puro: “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração... vê se em minha conduta algo te ofende e dirige-me pelo caminho eterno”. (Salmo 139.23,24). Após a leitura desta oração, quero pedir que você medite em algumas perguntas que farei a seguir:


1. Você está disposto a olhar seus pais através dos olhos de Jesus?

2. Você está em busca da aprovação de Deus, antes da aprovação de seus pais?

3. Seus motivos são puros? Seu alvo é realmente honrar seus pais ou você tenta manipulá-los por causa de algum motivo secreto?

4. Você consegue honrar seus pais, independente da resposta que recebe?

5. Você precisa pedir perdão por alguma coisa que fez contra seus pais?

6. Você está disposto a perdoar seus pais por o ferirem?


Suponho que se você realmente leva Deus a sério, também deseja obedecer a sua ordem para honrarmos uns aos outros. Isto inclui até as pessoas que o feriram no passado. Sua postura em relação aos itens anteriores poderá servir de ponto de partida para uma mudança de atitude.


É muito comum me perguntarem:


  • Considerando o seu passado familiar e todos os abusos emocionais que sofreu, como você conseguiu superar os traumas da sua infância?

  • Minha resposta é: Ainda estou em processo de cura. Somente quando eu estiver no céu, na presença do Senhor, é que poderei dizer: Alcancei a vitória completa!

Melhoremos a comunicação através da sensibilidade:


As Escrituras dizem em Colossenses 4.6: A vossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para que saibais como vos convém responder a cada um.


Em Provérbios Salomão diz que: A morte e a vida estão no poder da língua. O que bem a utiliza come do seu fruto (Provérbios 18.21). A língua pode ser veículo de encorajamento ou canal de morte. Não haverá um casamento saudável se a comunicação não for positiva, harmoniosa ou respeitosa. O segredo de um casamento saudável é quando há comunicação saudável. Onde só prevalece a razão movida pela crítica, o romantismo acaba. E onde há só os sentimentos sem uma expressão sadia de palavras, o rancor assume o controle dos corações. As relações construídas são aquelas que têm a ver com arte de conversar.


Davi e Abigail são referências quando falamos de sensibilidade e comunicação. Abigail foi o instrumento da parte de Deus para mentorear, orientar, guiar o coração de Davi para saber quem era. O que Deus iria fazer com ele, nele e para ele. Abigail lembra a Davi de que sua vida foi formada e condicionada pelas ternas e doces misericórdias do Pai, não pelos atos loucos de Nabal. Deus coloca na vida de Davi uma mulher que era casada com um tolo, mas que tinha prudência, temor e reverência para com Deus. Uma mulher que o faz voltar para Deus e ouvi-lo de novo.


Davi se permite escutar uma mulher que se torna sua mentora. Esta realidade é preciosa demais para a nossa caminhada cristã. Davi consegue escutar Abigail e ao ouvir as palavras profundas desta mentora, Davi recupera a beleza em si mesmo. Ele escutou aquela que Deus colocou em sua vida. Aquela que foi um termômetro espiritual para o seu coração.


Davi estava odioso em seu coração, preparado para a vingança sangrenta, ele queria defender a sua honra. Só que Abigail recobra a Davi a identidade que Deus mesmo havia lhe dado. A sensibilidade de dessa mulher foi fundamental para aplacar a ira do racional Davi. O sangue de inocentes seria derramado, mas Davi foi poupado de uma desgraça por causa da comunicação de uma mulher sensível e sábia diante de Deus. As doces palavras dela alimentaram a alma de Davi.


Precisamos não apenas alimentar nossa relação com boas palavras, mas também devemos ser o deleite e o prazer do nosso cônjuge com nossas palavras generosas, temperadas com sal. Palavras que edificam, constroem e produzem vida naqueles que nos ouvem. Assim, devemos usar a razão no sentido de pensar para falar no tempo certo e as emoções para falar com sensibilidade, carinho e cuidado.


Lembro-me de uma vez que estava com alguns casais comendo uma pizza e, de repente, uma esposa chamou seu marido de cavalo na frente de todos por causa de certa atitude. Olhamos para o rapaz e ele encheu os olhos de lágrimas, levantou da mesa e saiu da presença de todos. Peguei nas mãos dela e disse: Querida, não é o melhor jeito de se dirigir ao seu esposo. Vá para casa e tente falar com ela amanhã pedindo perdão.


Depois num atendimento de quase 7 horas a esse casal, percebi claramente a mágoa dele por ter sido exposto de maneira pública pela sua própria esposa. Como precisamos aprender a lidar com as com palavras, pensar dez vezes antes de dizer algo. Refletir sobre os efeitos no coração de quem recebe o que falamos. Até hoje esse rapaz se lembra do acontecido e com muita tristeza porque ficou marcado o que ela disse.


Termino dando algumas pequenas dicas para o seu cônjuge:

  • Homens é preciso lembrar que mulheres têm emoções e sentimentos e o compartilhamento das emoções constrói a intimidade emocional na relação de um casal. O simples dizer: estou aqui querida, será profundo para a vida dela.

  • Mulheres é preciso lembrar que homens têm razão e objetividade. Eles não gostam de ser desprezados nas ideias, de não serem ouvidos quando falam dos detalhes.

  • Mulheres é preciso lembrar que homens precisam de atenção também. Olhem e valorizem a capacidade deles através dos elogios e da presença como esposas na vida deles. Pensemos sobre essas questões para melhorar o nosso relacionamento como família na presença do Eterno Deus.

#Perdão

7 visualizações0 comentário
  • Twitter Clean
  • w-facebook
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now