Um cafezinho e... um feliz Natal!



Lucélia fechou a gaveta de cima de sua escrivaninha, terminando assim um dia que fora desanimador. Trancou-a, como sempre fizera já por dezoito anos. A festa de Natal do escritório já terminara e quase todos haviam ido para casa, para as comemorações em família. Ela deu uma última olhada no escritório, certificando-se de que tudo estava em ordem, e encaminhou-se para o hall do elevador. A faxineira apressava-se por terminar seu trabalho, ansiosa para também encontrar-se com sua família na véspera de Natal.

– Feliz Natal, dona Lucélia!

– Feliz Natal para você também, Vera. Espero que seja um feriado bem gostoso para você e seus filhos. Não se esqueça do panetone que lhe dei e também do presentinho extra. Faça o favor de comprar algo para você!

Lucélia sabia que não seria assim! Vera tinha um coração muito bom e uma família muito grande.

– Obrigada, D. Lucélia. A senhora é muito boa para mim. Deus a abençoe!

Lucélia se despediu, tomou o elevador e desceu para a garagem para pegar seu carro.

“Deus a abençoe”, repetia ela cinicamente, enquanto seu carro se movia lentamente em meio ao tráfego congestionado de final de tarde. “Se tem alguma coisa que não esteja me sentindo no momento é de estar sendo abençoada por Deus.” Lucélia sentia cada um de seus 52 anos naquela noite. Sozinha, ela experimentava um profundo vazio que a tornava, por vezes, temerosa de enfrentar o dia seguinte.

Até quatro anos atrás, ela curtira tremendamente o Natal. Festas, jantares, troca de presentes, a decoração dos shoppings e a grande multidão que a eles se misturava nessa época do ano. Tudo isso, porém, ocorria quando Fernando ainda fazia parte de sua vida. Seu coração ainda doía profundamente ao recordar-se daquela terrível noite. Ele havia chegado tarde do serviço, estava nervoso e muito triste. Em determinado momento, virou-se para ela e disse:

– Tenho uma coisa para lhe contar. Sei que você ficará chocada, mas preciso ir direto ao assunto. Lucélia, estou deixando você e as crianças. Encontrei outra pessoa. Ela é exatamente tudo que sempre sonhei. É isso aí! Se puder me perdoar, me perdoe!

E assim foi. Fernando arrumou suas coisas e partiu naquela mesma noite, dando as costas a 25 anos de casamento, a dois filhos maravilhosos e a Lucélia. Ela o amara muito, e seu coração ainda doía. Ficava imaginando se continuaria a sofrer assim até o fim de sua vida. Passou a se dedicar mais aos filhos e ao trabalho, o que conseguiu ajudá-la a suportar a separação, mas nada conseguia aplacar aquele vazio em seu coração. Em meio à nuvem escura em que se transformara sua vida naqueles quatro anos, o único raio de luz era que ela era financeiramente independente. Ela não precisava da ajuda de Fernando, o que era algo excepcionalmente bom. A última notícia que tivera dele era que estava morando na parte oeste da cidade, havia perdido seu emprego e estava enterrado em dívidas até o pescoço.

Quanto aos filhos, ambos estavam na universidade e trabalhavam meio período. Juntos conseguiam se manter. O pior problema era exatamente “o resto”: Lucélia havia se amargurado com a vida de forma geral. Ela estava amargurada contra Fernando por ele a haver traído, contra o destino que lhe coubera, amarga contra o vazio em que se resumia sua existência. Ela pensava: “Se a vida é só isso, então ela se parece mais com uma longa e sem graça piada de mau gosto, não oferecendo nenhum tipo de solução”. E onde ficava Deus em tudo isso? Ela nunca havia sido uma mulher religiosa, mas sempre crera na existência de Deus. Ultimamente, refletia mais sobre essa ideia e, nas horas de insônia à noite, perguntava-se: “Se Deus realmente existe, será que se importa com o que está acontecendo comigo?”.

O som ardido de uma buzina a trouxe de volta ao calor e à congestionada avenida que a levava para casa. De repente, ela se lembrou de que não tinha comprado o presente para a mãe de Fernando. Apesar do divórcio, a ex-sogra ainda era uma de suas melhores amigas. Que ironia da vida! Lucélia, então, resolveu dar uma rápida parada num shopping center. Àquela hora, pensava ela, deveria haver pouca gente nas lojas. E o que parecia mesmo é que todos estavam ali, naquela avenida, voltando para suas casas. Dona Eugênia amava perfumes e não levaria tanto tempo assim para comprar alguma coisa para ela.

Em menos de dez minutos Lucélia já estava dentro de uma perfumaria. Achou exatamente o que imaginara dar para a ex-sogra. O pacote fora extremamente bem feito, e ela estava satisfeita. Como tudo fora muito rápido, resolveu se permitir tomar um cafezinho. Sentou-se em uma mesinha redonda ao longo de um corredor e pediu um café. Aproveitou a oportunidade para também pedir uma fatia de torta de mousse de chocolate, lembrando-se de que era Natal e só comeria novamente por volta da meia-noite. O café chegou, quente e forte, como ela gostava.

Em algum lugar do shopping eram tocadas músicas de Natal ao vivo. Ouviu nitidamente uma flauta tocando a tradicional e familiar melodia de Noite Feliz. Foi demais para Lucélia, que estava com seu café na mão e a torta de mousse à sua frente. Seus olhos se encheram de lágrimas. Ela olhou para baixo para que ninguém pudesse reparar nela. Felicidade, paz, amor… Exatamente as coisas que ela estava procurando. Será que ela já os tivera em algum período de sua vida? Talvez não!

– Lucélia, é você mesma?! Não acredito!

Seria possível que justamente naquele momento alguém a tivesse reconhecido? Que coisa mais embaraçosa! Enxugando disfarçadamente as lágrimas, e tentando aparentar o mais natural possível, levantou seu rosto para ver quem a chamava.

– Márcia! Que surpresa! Acho que faz uns quinze anos que não nos vemos! Você está ótima!

E realmente estava. Parecia que o tempo havia parado para Márcia. Ambas haviam se formado juntas na faculdade e por muitos anos mantiveram contato. A vida, porém, fez com que tomassem rumos diferentes e acabaram se afastando.

Márcia, puxando uma cadeira e sentando-se próxima à amiga, disse:

– O que tem acontecido em sua vida?

Enquanto esperava uma resposta, também pediu um café.

– Ah, os altos e baixos de sempre. Ainda estou trabalhando na mesma companhia e adoro meu trabalho. Meus filhos estão na faculdade.

Ela esperou, desesperadamente, que Márcia não fizesse a famosa pergunta, mas não teve jeito:

– E o Fernando, como está?

A melhor forma de sair dessa seria simplesmente responder que ele estava bem, mas, de alguma forma, ela queria que Márcia soubesse do que estava acontecendo com ela.

– Bom, Fernando me deixou e foi morar com outra mulher. Já faz quatro anos. Estamos divorciados. A última notícia que tive dele é que havia perdido o emprego, que não estava mais com seu “novo amor” e está muito endividado. É isso!

Ela esperava que Márcia não tivesse percebido o tremor em sua voz, mas ela percebeu.

– Sinto muito, Lucélia. Como é que você está tratando dessa mágoa, do coração quebrado?

A forma com que Márcia fez essa pergunta levou Lucélia a pensar como ela poderia saber tanto sobre seus sentimentos. Será que era tudo tão transparente em seu rosto?

– Bem, eu até que estou me saindo bem, mas é como se a vida tivesse perdido seu significado. Sabe o que estou querendo dizer?

– Sim, eu sei.

– Não me diga que você também passou por isso?

– Não, não dessa forma, mas também tive meu quinhão de problemas ao longo desses anos.

Márcia pediu outra xícara de café e então, olhando nos olhos de Lucélia, lhe disse:

– Lucélia, gostaria de lhe contar uma coisa. Foi uma descoberta que fiz vários anos atrás e mudou minha vida inteira. Pode ser que isso a deixe chocada, mas não sou mais a mesma pessoa que você conheceu. Encontrei uma nova vida, um novo começo com Jesus Cristo. Ele trouxe real significado em tudo que faço. Foi como se estivesse vivendo pela primeira vez. Ele me deu paz e esperança quando tudo o mais ao meu redor parecia desabar.

E nos minutos seguintes Márcia contou a Lucélia como ela e seu marido haviam, fazia alguns anos, sofrido um terrível acidente de carro. Ela saíra praticamente ilesa, mas Cláudio havia perdido o movimento de suas pernas. Márcia entrou em um estado de depressão, realçado por ansiedade e medo do futuro. Certo dia, uma pessoa a convidou a frequentar um grupo de estudo bíblico onde, pela primeira vez em sua vida, ela ouviu a história de Jesus Cristo. Naquele mesmo dia, ela entregou sua vida a Cristo.

– Encontrei a Verdade, Lucélia. Foi, realmente, um novo nascimento. O milagre que ocorreu em Belém há mais de 2.000 anos, o nascimento de Jesus, e o milagre de sua ressurreição dentre os mortos na Páscoa 33 anos depois fizeram um milagre em minha vida. E a mesma coisa pode lhe acontecer se permitir que ele tome conta de você.

Márcia, então, tirou de sua bolsa um pequeno Novo Testamento e o deu a Lucélia:

– Quero que você fique com isto. É meu presente de Natal para você. Aqui está o segredo da vida. Não uma vida sem problemas, mas uma vida real, uma vida em Cristo. É vida para agora e para sempre, porque é a vida do próprio Deus em nós.

Ela olhou atentamente enquanto recebia o livro em suas mãos, pensando no vazio de sua vida e em como ela gostaria de mudar essa situação. Era patente o fato de que Márcia possuía agora algo que não tinha há quinze anos – um brilho em seus olhos e uma felicidade estampada em sua face, invejada por Lucélia.

– Muito obrigada! Prometo a você que vou lê-lo. E vou também pedir que Deus faça em minha vida o mesmo milagre que fez na sua!

Márcia despediu-se com um forte abraço em Lucélia, desejando-lhe um feliz Natal. Lucélia ainda continuou por mais um tempo sentada, pensando nesse inesperado encontro com a amiga. Não era coincidência, e ela sabia disso. Havia uma forma de alegria incontida em sua alma, e de repente ela percebeu que seu coração se enchia de esperança. Levantou-se então da mesa e foi andando pelo corredor. Era Natal e ela queria ir para sua casa e ficar com seus filhos.

Um milagre ocorrera no passado, em uma humilde hospedaria em Belém. E, de alguma forma, Lucélia sabia que outro milagre estava se desenrolando naquela tarde em sua vida.

#Natal #Jesus

  • Twitter Clean
  • w-facebook
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now