Será que seu filho precisa cursar uma faculdade?



Letícia estava no WhatsApp com a amiga Natália e não percebeu que a mãe passava perto. Nat, meus pais dizem que se eu não fizer faculdade não vou ser ninguém na vida! O que eles querem dizer com isso? Quer saber, tô nem aí com o que eles pensam!

Duas ou três frases, foi tudo o que a mãe ouviu, o suficiente para impactá-la e fazê-la voltar pensativa para seu home office.

A pergunta de Letícia fazia sentido: o que é ser alguém na vida? Para começar, esse não é um linguajar de adolescente, ela está repetindo o que ouviu dos pais. Será que os nossos valores são diferentes e, talvez, errados?

Este ano é crucial para Letícia. Nessa idade, cursar ou não uma faculdade não depende só dela, e as ideias devem estar alinhadas entre pais e filhos para que ambas as partes suportem o preço da decisão. Vamos tentar ajudá-los a se entenderem?

1° passo: Retire o lixo Os nossos pensamentos são como um rio que cruza uma cidade e vai carregando na sua corrente esgoto e lixo despejados por habitantes irresponsáveis.

A água limpa são as motivações certas, aquelas que o Criador projetou ao desenhar cada indivíduo com habilidades, talentos e personalidade próprios.

Nesse rio, a sociedade despeja toda sorte de ideias tortas, como “ser alguém na vida”, insinuando que é importante ter status, dinheiro, poder. Aos olhos de Deus, isso é lixo!

E quando Letícia diz que “não está nem aí” para o que os pais pensam, que tipo de ideia ela carrega? Lixo também!

Nessa altura, tanto pais como filha precisam de uma faxina mental, seguindo a exortação do apóstolo Paulo: “Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus” (Romanos 12.1-2).

2° passo: Elimine o esgoto Navegando pelo rio dos pensamentos, vê-se que ao projeto divino de corrente límpida juntam-se águas turvas de motivações erradas. Dentre as mais contaminadas, uma jorra “inveja”, e outra, “preguiça”.

Eclesiastes pinta esse quadro assim: “Então, vi que todo trabalho e toda destreza em obras provêm da inveja do homem contra o seu próximo. Também isto é vaidade e correr atrás do vento” (4.4).

Quando o irmão mais novo quer cursar faculdade para provar ao mais velho que pode superá-lo, a motivação é inveja, é esgoto! Quando a filha do meio almeja cursar farmácia, mas não quer estudar, é preguiça, é esgoto! “O preguiçoso morre desejando, porque as suas mãos recusam trabalhar” (Provérbios 21.25).

3° passo: Deixe decantar Depois que Letícia e seus pais fizeram a lição de casa e eliminaram o lixo de fora e o esgoto de dentro, constataram que progrediram, mas as ideias ainda não estão claras: curso técnico? Faculdade? Um ano fazendo intercâmbio para aprender inglês? Chegou a hora de deixar os pensamentos decantarem. O processo de decantação requer sossegar, entregar em oração, confiar e esperar (Isaías 30.15).

Uma mente agitada não consegue clareza. Quando “as águas tumultuam e espumejam”, a resposta divina é: “Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus” (Salmos 46.3, 10). É um exercício de humildade, porque os pensamentos de Deus são mais altos do que os nossos (Isaías 55.9). Nem por isso desanime: Ele promete apontar o caminho (Salmos 25.8-9, 12)!

4° passo: Observe atentamente Esperar não é fechar os olhos, mas “procurar compreender qual a vontade do Senhor” (Efésios 5.17). É observar o ambiente externo e a voz interna para discernir suas aptidões reconhecidas por si mesmo, mas principalmente pelos outros: parentes sinceros, amigos, colegas, professores...

Uma consideração serena sobre as notas x matérias dos últimos anos pode ser um bom começo. Deus pode fazer uma vaca voar e um jumento falar, mas isso tem mais a ver com calamidade do que com sua vontade objetiva. Cuidado para não tentar Deus pedindo-lhe para esculpir um perfil que não corresponde ao seu projeto.

5° passo: Não queime as etapas Antes de ser chamado Mestre e ter uma multidão de seguidores, Jesus era “o filho do carpinteiro”. Ele soube esperar sua hora. Um curso técnico não é o fim da linha: pode ser o começo de uma carreira profissional ou o trampolim para uma faculdade. A adolescência é uma idade cheia de mutações; importa viver cada fase na dependência de Deus e não queimar etapas. “Bom é para o homem suportar o jugo na sua mocidade” (Lamentações 3.27). Tanto nas pequenas como nas grandes coisas, use o lema “first the worst”: comece pelo pior!

Seja qual for a escolha, haverá um preço a pagar. A faculdade pode custar a viagem à Disney, a troca de carro, a compra da casa própria. Pais e filhos devem ter consciência disso. Tanto na natureza como na vida, “colhe-se o que se semeia” (Gálatas 6.7).

#Influência #Filhos

  • Twitter Clean
  • w-facebook
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now