Foi bom para você?



Essa é uma pergunta muito interessante, e o leitor mais experiente, com mais tempo de vida, deve conhecê-la bem. Durante muitos anos, após o ato sexual, o homem se virava para a esposa e fazia essa pergunta. Porém, imagino que, na década de 60, 70, com a busca pela liberdade da mulher, uma delas resolveu responder, e deve ter sido uma tragédia, pois depois disso nunca mais se fez essa pergunta.

A harmonia no relacionamento sexual é algo que Deus deseja para a sua criação. Este ainda é um tema desafiador e cheio de tabus, mas não para Deus, pois Ele nos criou para viver de forma plena e satisfatória (Gênesis 1.27-28; 2.4-25). O desejo de Deus foi sempre nossa realização, em todas as áreas, inclusive nesta. O sexo é de Deus! Ao criar o homem e a mulher (Gênesis 1), a ordem era crescei e multiplicai. Você conhece outra maneira naquele tempo senão por meio do sexo? Infelizmente, o ser humano utilizou o sexo como símbolo da queda do homem e da mulher, mas isso não tem nada a ver com sexo.

Fomos chamados para nos realizar também na área no casamento. Para isso, é preciso disposição para amadurecer, aprender, conhecer o outro, suas necessidades, sonhos, fantasias. Conversar como marido e mulher. O desafio é amadurecer emocionalmente, entendendo cada fase da vida, e também no relacionamento sexual. Alguns casais lidam bem com a comunicação, com as finanças, mas não conseguem trabalhar bem o relacionamento sexual. O casal deve buscar valorizar cada momento, desde as preliminares até o ato em si, deve aprender como brincar com seu cônjuge.

Provérbios 5.18-19 é um convite para celebrar a alegria do relacionamento sexual ao longo de todo o casamento, e 1 Pedro 3.7 afirma que o homem deve viver a vida comum do lar. Assim, em vez de perguntar um ao outro “foi bom para você”, a pergunta deve ser: como podemos melhorar? O que podemos fazer para experimentar o melhor que Deus nos deu por meio do relacionamento sexual?

Algumas questões são vitais no casamento: amor, comunicação, respeito. A relação sexual não é um mero dever ou obrigação. Antes de tudo, é uma questão de amor, e amor não se obriga! Respeite o limite do seu cônjuge. Tome cuidado nesse processo de busca de prazer, cuidado com as “raposinhas”, com as “brechas” – como, por exemplo, o excesso de TV, internet, acessos perigosos.

A imaturidade de um dos parceiros pode levar o outro a procurar satisfação em lugares perigosos e longe dos propósitos de Deus. Todos os textos que tenho lido nessa área indicam a importância do sexo e o cuidado para não “demonizar” aquilo que Deus criou. Muitos textos, livros, bem como minha experiência de encontros de casais, apontam para a importância de aprender a conversar sobre o tema, uma conversa madura. Pessoalmente entendo que até a igreja pode ser um canal de bênção nessa direção, promovendo encontros e tratando sobre o assunto. Invista no seu casamento, inclusive nessa área. Busque o equilíbrio emocional, espiritual, físico e surpreenda-se com o que Deus pode fazer na vida de vocês. “Se foi bom”, pode ter certeza, sempre pode melhorar! Assim, você pode trocar a interrogação pela exclamação!

#Casamento

  • Twitter Clean
  • w-facebook
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now