Com quem me casarei?



Escolher a pessoa certa para se casar é uma das decisões mais importantes de nossa vida, pois afetará todo o nosso futuro. Segundo a psicologia, quando escolhemos alguém, não podemos desprezar o conceito de idealização que está intrinsecamente relacionado a essa escolha. Nesse processo, podemos atribuir ao outro qualidades de perfeição, admirando-o como alguém que só tem características positivas. Na idealização, vemos o outro de forma parcial, ou seja, de forma idealizada como sonhamos e desejamos, fechando os olhos para seus erros e falhas, colocando-o em um lugar impossível de ser alcançado, o que pode levar muitos a futuras frustrações. Escolher alguém com base na idealização ou apenas em aspectos temporários, como finanças, posição social, sucesso e atributos físicos, é um grande perigo! Temos de nos lembrar de que as coisas mudam; o mundo dá voltas, amadurecemos, envelhecemos, podemos perder nossos bens. Sucesso e glória neste mundo normalmente são passageiros. Devemos nos humilhar e pedir que o Espírito Santo nos conduza em nossas escolhas (João 16.13). Ele sabe quem será melhor para nós. Só Ele conhece o futuro e está pronto a nos levar a viver o melhor desta terra. Não podemos nos esquecer de que Ele também nos concede a sabedoria.

A Bíblia nos ensina a buscarmos e amarmos a sabedoria (Provérbios 4.5), pois ela será nossa grande aliada na estrada da vida. A sabedoria nos ajudará a ter uma imagem clara do tipo de cônjuge que queremos ter. Dizem que quanto maior a expectativa ou a idealização, maior poderá ser a frustração, porém não podemos iniciar um grande projeto como o casamento sem nenhuma expectativa e motivação. Devemos buscar um cônjuge que venha a ser conforme nossos sonhos, sabendo e reconhecendo que ninguém é perfeito.

Não podemos definir as características de um cônjuge ideal, pois a ideia de “pessoa ideal” é um tanto subjetiva, mas algumas características importantes em um cônjuge não podem ser negligenciadas, e quero destacar algumas:

Espiritualidade – Nosso sistema de crenças, que é formado ao longo de nossa vida, irá influenciar nossas escolhas. Acreditamos na Palavra, vivemos a Palavra e devemos buscar alguém que ande nessa verdade. “Andarão dois juntos, se não estiverem de acordo?” (Amós 3.3). A Bíblia nos ensina a não nos prendermos a um jugo desigual (2 Coríntios 6.14). Quando buscamos um cônjuge com a mesma fé, podemos ter a certeza de que, juntos com o Senhor, iremos vencer todas as dificuldades. “… o cordão de três dobras não se quebra tão depressa” (Eclesiastes 4.12). Antes de fazermos uma aliança, é importante verificarmos os frutos (do Espírito) do outro que testificam sua fé.

Segundo A. W. Tozer, “o testemunho vigoroso, orações frequentes e altos louvores podem ser inteiramente coerentes com a espiritualidade, mas é importante compreender que estas coisas não a constituem em si mesma, nem provam que ela está presente”. Essas coisas podem ser usadas como máscaras. O homem espiritual de verdade tem um desejo ardente de ser santo, é capaz de sofrer pelo evangelho, entende que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus (Romanos 8.28) e tem seu prazer na lei do Senhor. Não pode haver comunhão entre luz e trevas. Se você quiser ser feliz no casamento, busque um cônjuge que ame a Deus sobre todas as coisas.

Ambição – Quem não quer ser bem sucedido, crescer, prosperar e progredir, principalmente construindo uma história de sucesso ao lado da pessoa amada? O desejo de prosperidade é uma virtude, contanto que isso não se torne ganância/ambição egoísta ou avareza que domine o coração.

Ambição não é pecado quando o alvo é alegrar o cônjuge e, sobretudo, glorificar a Deus com aquilo que se conquistou. Em sua carta, Tiago não está condenando a ambição, e sim a ambição egoísta: “… pois onde há inveja e ambição egoísta, aí há confusão” (3.16).

Uma frase bastante conhecida foi proferida por Thomas Edson: “Mostre-me um homem 100% satisfeito e eu lhe mostrarei um fracassado”. Se você quiser crescer e ter sucesso em seu casamento, busque alguém que tenha sonhos e projetos concretos.

Autenticidade – Ser autêntico é ser verdadeiro. A Bíblia nos ensina que pelos frutos podemos conhecer uma árvore, assim como pelas atitudes podemos conhecer alguém. Infelizmente, há muito gato se passando por lebre. Muitos usam máscaras em seus relacionamentos, não são verdadeiros, falam uma coisa e fazem outra. Buscar conhecer uma pessoa que seja autêntica é um grande desafio. Por meio da sabedoria podemos perceber algumas características de uma pessoa autêntica:

Tem opinião própria e não tem medo de se expressar sem ferir o próximo. Tem uma escala de valores clara e vive de acordo com ela, colocando sempre Deus em primeiro lugar. Sabe e reconhece que todos somos especiais aos olhos de Deus e valoriza a individualidade de cada um. É honesta com os outros e consigo mesma. Não trai, mesmo quando ninguém está vendo. Tem uma autoestima elevada, sabe que é filha de Deus.

Reconhece seus limites e não se amolda a este mundo. Influencia positivamente os outros e principalmente seu cônjuge. Traz segurança emocional, financeira e espiritual à família.

Quando for escolher seu cônjuge, procure alguém autêntico.

Criatividade – Hoje, muitos casamentos têm sido minados e destruídos pela mesmice. Para que isso não aconteça, é importante buscar um cônjuge que seja criativo. Com a sabedoria e a criatividade, o casamento será sempre renovado. Pessoas criativas normalmente são alegres, têm boas ideias e estão abertas a receber boas ideias de seu cônjuge. Acreditam em milagres; sabem que Deus sempre trará algo novo para sua vida, não desanimam, buscam alternativas para enfrentar as dificuldades de forma otimista. Pensam fora do quadrado, criam mais de 1000 maneiras de dizer “eu te amo!”.

São pessoas que gostam de conhecer lugares diferentes, fazem surpresas, jantares à luz de velas, deixam bilhetes apaixonados pela casa, fazem serenatas, declarações de amor, tudo isso com seu toque especial. Se você não quiser mornidão em seu casamento, busque alguém criativo.

Bom pai/mãe – Criar filhos nos dias atuais não é tarefa fácil para ninguém. Desejamos ter filhos bem-educados, porém temos de nos lembrar de que é por meio dos pais que se transfere um legado biológico, cultural, psicológico e espiritual para os filhos. Sabemos que as crianças aprendem muito mais com as atitudes dos pais do que com seus conselhos. Não há como saber se o cônjuge será um bom pai ou mãe, mas observando suas atitudes em família é possível ter uma boa visão de como ele será no futuro. Bons filhos geram bons pais e bons pais geram bons filhos. É muito importante observar qual é o tipo de família do futuro cônjuge, porque provavelmente isso irá reproduzir sua vivência futura. Se o outro honra pai e mãe, certamente irá reproduzir essa verdade em seus filhos. Se você quiser que seu futuro cônjuge seja bom pai/mãe para seus filhos, busque alguém que honre pai e mãe. Bons casamentos terão uma maior chance de um final feliz quando já no princípio do relacionamento, no namoro/noivado, existir respeito, amor, reciprocidade e cumplicidade entre o casal. Muitos se decepcionam em seus casamentos, cientes da falta de princípios existentes desde o início da relação. Portanto, faça boas escolhas por meio da sabedoria e da direção do Espírito Santo, pois isso levará você a ter um casamento feliz e abençoado por Deus.

PARE, PENSE, OBSERVE, ORE, CASE E SEJA FELIZ!


  • Twitter Clean
  • w-facebook
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now