Primeiro ele liga o computador, depois o computador “o liga”!



A senhora que estava sentada à minha frente tinha uns quarenta anos de idade e estava casada havia dezoito. Enquanto ela falava, lágrimas escorriam de seus olhos: “Eu acordei por volta de umas duas horas da madrugada e percebi que meu marido não estava ao meu lado. Fiquei preocupada e me levantei para ver se ele estava bem. Como a porta de nosso escritório estava parcialmente aberta, eu me aproximei e olhei para dentro. Fiquei parada e até prendi minha respiração. Meu marido estava no computador, e na tela havia cenas de sexo explícito. Antes que ele percebesse minha presença, voltei para cama e chorei sozinha sem saber o que fazer. Graças a Deus, Jaime, você tinha uma vaga em sua agenda para poder me receber hoje. O que devo fazer? Será que me tornei indesejável para o meu marido? Eu devo confrontá-lo? Como?”. Confesso que este não foi o primeiro caso que atendi sobre isso e sei que, infelizmente, não será o último.

Estamos atravessando uma época de descobertas tecnológicas. A cada dia inventam algo novo para facilitar mais a nossa vida. Não sou inimigo do progresso, porém há algumas coisas que em si mesmas não são erradas, mas podem se tornar verdadeiras tentações. Uma delas é a internet.

Somos humanos, fracos e temos muitas áreas vulneráveis. Aquela senhora descobriu, de forma nada agradável, a de seu marido.

A seguir está um resumo das sugestões que dei a ela. Depois, ampliei o foco e deixo outras dicas para o(a) leitor(a):

1. Procure acalmar seu coração. Leve tudo em oração ao seu Deus (Filipenses 4.6-7; 1 Pedro 5.7). 2. Não entenda essa atitude de seu marido como se ele tivesse deixado de amá-la. 3. Converse com seu marido sem acusações, sem escândalo. Procure saber o que está acontecendo, se há algum motivo de grande estresse no serviço, alguma dificuldade financeira iminente ou algo não resolvido entre vocês. Depois, conte que o viu ao computador. 4. Peça sabedoria a Deus para avaliar a gravidade da situação. Pode ter sido uma primeira vez. Conversem abertamente a respeito. 5. Procure um conselheiro de confiança com quem vocês dois possam orar e conversar. 6. Tenha umas duas amigas em quem você confie para que possa chorar e orar com elas. 7. Lembre-se de que Deus é soberano sobre nossa vida e casamento. Abrigue-se nele.

Depois, começamos a conversar sobre como é importante que as pessoas percebam o risco que estão correndo. Antes de usufruir a internet, é preciso avaliar, ter senso crítico. Há sites de alta qualidade, educativos, informativos, culturais, cristãos, etc. No entanto, há também os de baixo nível, anticristãos, vulgares, tendenciosos, perniciosos, perigosos, etc. Enfim, é preciso saber onde se está pisando.

A internet, realmente, ofereceu uma sedutora oportunidade a qualquer pessoa que queria conhecer e tomar gosto pela pornografia (incluindo os maridos que prometeram fidelidade a sua esposa). Acredito também que a palavra “sexo” seja uma das mais procuradas. Basta alguns toques no “mouse” para que milhares de pessoas entreguem seu caráter para ser deturpado na frente de uma tela.

A pornografia é uma ilusão. É algo tão esfuziante que torna a vida real pálida e sem graça. A pessoa vai ficando cada vez mais envolvida e, quanto mais dependente estiver, mais lucro dará aos que estão por trás desse sórdido negócio. São muitos os que se tornam viciados, ficando tão dependentes dela como de uma droga. Muitas vezes, essas pessoas acabam não conseguindo ter uma vida sexual normal com seus cônjuges. Isso sem falar nos aspectos psicológicos. A frustração de nunca conseguir chegar onde se almeja corrói a força interior e a “garra” para a vida.

Se eu tivesse acesso ao marido daquela senhora, eu diria a ele:

1. Cuidado, a pornografia pode acabar com você e com seu casamento. Conscientize-se disso! 2. Arrependa-se dessa atitude, peça perdão a Deus e forças para livramento. 3. Converse com sua esposa e abra-se com ela, tornando-a sua aliada. 4. Peça-lhe perdão. 5. Procure ajuda profissional se reconhecer que não foi um simples tropeço, mas que se trata de séria dificuldade na vida sexual. 6. Faça um check-up em sua vida espiritual. Intensifique sua comunhão com Deus através da leitura da Palavra, da oração, da confissão. 7. Abra-se com um amigo de confiança, com quem você possa ser inteiramente autêntico. Conte a ele suas lutas e estabeleçam conversas semanais nas quais você deve prestar conta a ele durante determinado período, tendo em vista fortalecer-se para enfrentar essa tentação. 8. Decore versículos da Palavra e jogue-os em sua mente nos momentos em que estiver sendo atraído à tentação. 9. Fuja da tentação. Se for o caso, desligue a internet do seu computador. 10. Não desista. Muitos já conseguiram vencer essa situação.

É sempre positivo quando conseguimos identificar nossas áreas mais frágeis, pois acabamos nos conhecendo melhor e assim procurando evitar situações que nos fazem cair.

Também gostaria de dar um toque aos pais dos meninos. O fácil acesso e a falta de supervisão podem transformar o computador num meio de comunicação mais nocivo que a televisão.

1. Converse com seu garoto sobre esses sites, antes que os amigos o façam. 2. Coloque softwares de filtragem no computador. 3. Deixe o computador em um local em que toda a família tenha acesso. Não o coloque no quarto de seu filho. Evite tentação. 4. Proíba o uso do computador depois de determinada hora da noite. A exceção seria um trabalho escolar com a supervisão dos pais. 5. Procure verificar o registro de entradas nos computadores de seus filhos.

Para terminar, gostaria de deixar a palavra que ouvi de um colega pastor ao ser tentado a navegar em mares pornográficos (pastor também é tentado, como qualquer outra pessoa!):

“Quando percebi que aquele meu súbito desejo era um anseio de encontrar alguma coisa que me confortasse e me relaxasse, pedi a Deus que me mostrasse outras formas. Naquele momento, eu me lembrei de que o Espírito Santo é a nossa sempre presente fonte de conforto. Imaginei o que aconteceria se eu clamasse por sua ação específica naquela hora de tentação. Fiz, então, uma pequena oração dizendo: ‘Querido Espírito Santo, você foi enviado para ser meu consolador pessoal. Estou, no momento, precisando desesperadamente de conforto. Consola a minha vida. Em nome de Jesus. Amém’. Fiquei então, num gesto automático, olhando para o meu relógio para ver o que aconteceria. Inexplicavelmente, senti um bem-estar interior e percebi que a dor emocional havia partido. Naquele momento, virei as costas àquela tentação e descobri que estava milagrosamente amparado e fortalecido. Eu estava livre!”.

Nem sempre o Espírito Santo age tão rapidamente em nossa vida. Mas naquele dia, aprouve a Ele livrar aquele servo daquela forma.

Podemos louvar a Deus pelos livramentos que Ele, misericordiosamente, nos concede, mas... também devemos fazer nossa parte, no sentido de não andar à beira do abismo!

#Família

  • Twitter Clean
  • w-facebook
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now