Depressão: Só quem já passou consegue entender quem está passando!



“Por que você está tão triste, ó minha alma? Por que está assim tão perturbada dentro de mim? Ponha a sua esperança em Deus! Pois ainda o louvarei; ele é o meu Salvador e o meu Deus.” (Salmos 43.5) Alma abatida e perturbada – essa é uma boa definição para a depressão. Lembro-me bem do que senti em certa fase da minha vida: isolamento, medo, tristeza profunda, insegurança e por aí vai... Eu poderia unir minha voz e fazer eco às palavras do salmista no salmo 42:

  • Minhas lágrimas têm sido o meu alimento de dia e de noite (v. 3).

  • Choro angustiado (v. 4).

  • Abismo chama abismo (v. 7).

E ele, como eu, também tinha de lidar com as pessoas que perguntavam: “Onde está o seu Deus?”. Existem muitas ideias falsas e preconceitos sobre a depressão. Há pessoas que afirmam que:

  • Cristão de verdade não fica deprimido.

  • Depressão é um problema espiritual.

  • Tomar remédio demonstra “falta de fé” de que Deus vai curar.

É interessante notar que a pessoa que escreveu os salmos de número 42 e 43, com essas características de depressão, era um homem profundamente dedicado ao Senhor – ele ia saltando à frente das paradas de sua época, louvando a Deus com toda a força dos pulmões. A multidão se animava e ia atrás dele, também cantando e bendizendo ao Deus Soberano.

Se olharmos no livro de Reis, também vamos ver que depois da grande vitória que ocorreu no monte Carmelo, quando Deus fez cair fogo do céu, Elias entrou em profunda depressão (1 Reis 18 e 19). Ele estava tão mal que pediu a Deus para morrer. O Senhor, conhecendo a condição de sua alma, não o repreendeu, mas deu-lhe água, comida, falou-lhe com voz suave e mostrou-lhe que não estava sozinho e abandonado, a despeito de como se sentia. E ali, deu-lhe também uma nova visão de ministério.

Podemos tirar dessa passagem inúmeras lições, e uma delas é a de que somos corpo, alma e espírito e precisamos tratar de cada uma dessas três áreas.

Motivos Por que você está assim tão triste, ó minh’alma?

Minha oração durante aquele tempo em que sofri com depressão era a mesma do salmista:

– Por que, Senhor, por quê?

Às vezes o motivo é explicável, detectável e lógico. Por exemplo, quando alguém passa por alguma perda significativa como a de um ente querido, da saúde, do emprego, do casamento, é praticamente esperado que ocorra, por um período, algum tipo de depressão. Além disso, também sabemos que passar por traumas, abusos, rejeições durante a infância e a adolescência pode, mais tarde, resultar em sérios problemas emocionais (não significa que todos os terão, mas alguns sim). São consequências, digamos, até previsíveis de ocorrer em algum momento da vida.

No entanto, eu não tive nada desse tipo, nem no passado, nem no presente. Minha infância foi muito feliz. Recebíamos muito amor em nosso lar. E hoje eu tenho a família que pedi a Deus. Naturalmente temos nossos problemas, como todos, mas nos amamos muito e corremos sempre ao Senhor para resolver qualquer situação que nos ocorra.

Outra causa explicável é a saúde física. Sou enfermeira por profissão e reconheço que existem muitas causas físicas para a depressão. Há, para a mulher, alguns momentos típicos na vida, como após o nascimento de um filho ou durante a menopausa, em que é comum o desequilíbrio hormonal causar algum tipo de abalo emocional, e entre eles está a depressão. Outras possíveis causas podem ser: disfunção da tireoide, algum tipo de alergia ou até mesmo efeito colateral de algum remédio. A depressão em si é um problema fisiológico, pois foi cientificamente comprovado que se trata de um componente químico do cérebro que vai se desgastando e precisa ser renovado.

Pela terminologia da palavra pode-se também dizer que de-pressão implica estar debaixo de algum tipo de pressão. E nem há como numerar a lista de motivos que podem nos pressionar. Entre eles também estão culpa, pecado ou fracasso.

Eu não estava sob nenhuma pressão externa, fosse do marido, das filhas, da missão ou de Deus, mas eu mesma estava colocando um grande peso sobre mim.

Fazendo um rápido retrospecto de minha vida, aceitei a Jesus como meu Salvador com oito anos de idade. Aos 12 eu já queria ser missionária. Deus me deu um marido com o mesmo desejo. Chegar ao Brasil era para mim a realização de um sonho de muitos anos. Eu queria ser a melhor esposa, a melhor mãe e a melhor missionária possível. E era aí que estava o foco do meu problema. Não que o alvo não fosse certo: o ponto é que eu não estava conseguindo!

A descoberta da causa “Ponha a sua esperança em Deus! Pois ainda o louvarei; ele é o meu Salvador e o meu Deus” (Salmos 42.11). Depois de um ano de sofrimento, minha depressão foi embora e, graças a Deus, não voltou mais. Já faz 30 anos que tudo isso aconteceu. Sei que algumas pessoas já sofrem há bem mais tempo do que eu sofri. Quero, porém, dar esperança àqueles que talvez pensem que vão ficar doentes pelo resto de sua vida. Era como eu pensava em meio à minha depressão, e faz parte dos sintomas da doença.

Durante aquele tempo em que tive depressão e buscava e esperava pela cura, comecei a entender, pela primeira vez na vida, o significado da graça de Deus. Ele não nos diz: “Amo você porque...”. Tampouco “Eu vou amar você quando você fizer tal coisa, ou se fizer tal coisa”. Ele diz: “Eu amo você”. Ponto final! E Ele vai além e acrescenta que nada pode nos separar do amor que Ele tem por nós (Romanos 8.38-39).

A vida cristã se inicia pela graça (Efésios 2.8-9: Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus; não por obras, para que ninguém se glorie) e é dependente da graça que devemos continuar a viver. Ocorre que muitas vezes passamos a depender de nossa própria força e a contar mais com nossas próprias habilidades do que com a graça de Deus. Descobri, então, que é heresia dar mais ênfase àquilo que eu faço para Deus do que àquilo que Deus faz por mim. Antes da minha depressão eu servia ao Senhor por obrigação. Agora faço por amor e posso dizer que as lições que Deus me ensinou durante aquele período, apesar de difíceis e sofridas, foram tão significativas que não as troco por nada deste mundo.

Eu poderia dizer muitas coisas, mas creio que o mais importante é deixar registrado que, seja qual for a causa da depressão – física, emocional ou espiritual –, uma grande dose da graça de Deus será sempre bem-vinda, indicada e necessária.

Termino deixando aqui uma preciosa promessa que me acompanhou durante aqueles atribulados meses:

“O Deus de toda a graça, que os chamou para a sua glória eterna em Cristo Jesus, depois de terem sofrido durante um pouco de tempo, os restaurará, os confirmará, lhes dará forças e os porá sobre firmes alicerces. A ele seja o poder para todo o sempre. Amém.” (1 Pedro 5.10-11)

#Depressão

  • Twitter Clean
  • w-facebook
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now