• Admin

Nas tempestades



“As tempestades da vida não indicam a ausência de Deus assim como as nuvens não indicam a ausência do sol” – John Blanchard

As tempestades são eventos da natureza. Tempestades e tormentas têm significados similares, ambas representam um estado de turbulência na atmosfera com ventos fortes, chuvas, raios, trovões acontecendo simultaneamente. Diariamente acontecem mais de 40 mil tempestades na terra. A cada segundo, em algum lugar do planeta, regiões estão sendo afetadas com descargas de raios e outros eventos típicos desses fenômenos da natureza.

As tempestades também acontecem em nossa vida, e Deus nos aperfeiçoa nesses caminhos e fala conosco no meio da tempestade. Não poucas vezes, somos feridos e abatidos pela violência da tormenta. Às vezes, sentimo-nos fragilizados, impotentes e sozinhos, mas jamais abandonados. Até mesmo na tempestade Deus tem seus propósitos.

Ninguém está imune à tempestade, ela não avisa quando vai chegar e não sabemos sua direção e intensidade. Uma coisa é certa: todos procuram abrigo e salvação nas tempestades. Buscar proteção e refúgio em meio à tempestade é uma reação natural do ser humano. Mas o que irá determinar nosso livramento é a maneira com a qual nos comportamos no meio da tormenta e o entendimento sobre algumas verdades:

Deus é refúgio e fortaleza nas tempestades As fortalezas eram estruturas arquitetônicas idealizadas para defesa de guerra, guardavam armas e tinham lugares secretos como refúgio. Eram projetadas justamente para assegurar a vida dos soldados em tempos difíceis. O profeta Isaías diz que Deus é como essas fortalezas: “O Senhor é refúgio e esconderijo contra tempestade” (Isaías 4.6). Ele é o socorro que não cessa, é escudo perfeito que se debruça sobre seus filhos para aquecê-los em meio ao vento frio e forte.

Daniel não morreu na cova dos leões. Sadraque, Mesaque e Abednego não foram queimados na fornalha ardente. Abraão não foi vencido na caminhada pelo deserto, mas viveu para ver as promessas. O barco que levava os doze apóstolos não naufragou quando foi açoitado pelas águas e fortes ventos. A tempestade alcançou Jó, mas não pôde detê-lo, antes o Senhor o fez renascer mais forte. A Bíblia diz que nem a morte nem a vida podem nos separar de Cristo (Romanos 8.38).

Deus está presente e nos dá força no vale Nas montanhas e nos vales, Deus está conosco. Ele não nos abandona quando as dificuldades surgem. Lembre-se sempre de Salmos 23.4: “Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam”.

Quando surgirem as tormentas, Deus se manifestará e nos dará força. Isso me traz à memória outro verso bíblico: “… mas fiel é Deus, que não vos deixará tentar acima do que podeis” (1 Coríntios 10.13).

No vale não podemos desanimar, desistir, retroagir. Usemos a geografia do vale a nosso favor, como Davi, que usou a caverna para formar um exército. Como o profeta Jeremias, que também muito nos ensina sobre tormentas e tempestades, porque viveu em tempo de grande angústia: Israel estava a caminho de um cativeiro, oprimida pelos inimigos. Ele olha para toda situação e declara: “Ó Senhor, fortaleza minha, e força minha, e refúgio meu no dia da angústia…” (Jeremias 16.19).

A tempestade não é eterna; ela tem fim Há um provérbio que diz: “Depois da tempestade vem a bonança”. Mas Deus é a nossa bonança em meio à tempestade. Ele é a força nos vales e em toda geografia de altos e baixos.

As correntes do sul foram citadas em um salmo de Davi como o refrigério, o consolo de Deus em meio ao deserto. Davi conhecia bem a região do Neguebe, porque foi por lá que ele andou quando estava fugindo do rei Saul, que queria matá-lo. Muito provavelmente, Davi assistiu ao fenômeno das torrentes restaurando o vale do Neguebe e usou essa imagem na bela oração do salmo 126.

As torrentes no Neguebe restauravam a vida no deserto, porém existem águas tão fortes quanto essas e bem mais poderosas: as águas da restauração do Senhor. Davi olhou para sua própria vida e de seu povo e as comparou ao deserto do Neguebe, mas lembrou-se de que mesmo aquele vale estéril era restaurado constantemente pelo Senhor e fez sua oração: restaura as nossas vidas como as torrentes do Neguebe.

O vale do Neguebe escondia debaixo de sua aparência desértica, inóspita e solitária uma vocação natural para jardim regado. Ele não tinha águas próprias, porque as torrentes eram decorrentes de chuvas que aconteciam longe dali e escorriam dos montes restaurando a vida no vale. Após sua seca, as correntes surgem, misteriosamente banhando todo o solo, florescendo as sementes que foram cultivadas na seca, quando não se via água, a não ser de lágrimas.

Jamais permitamos que as tempestades e tormentas da vida nos destruam. Apeguemo-nos ao Senhor, na convicção de que Deus está conosco, nos fortalecendo e põe fim à tormenta que nos assola.

#Provação

  • Twitter Clean
  • w-facebook