Como educar a nova geração em um país que enfrenta a síndrome da covardia moral?

A existência de uma crise moral na sociedade brasileira é um fato. Essa crise é manifestada pelo cinismo da população diante de valores como respeito, justiça e solidariedade. Vivemos situações em que a falta de ética e moral é recorrente. Há uma mentalidade que vem se instalando, onde “levar vantagem”, “passar sobre as pessoas” para conseguir objetivos são ações normais para muitos.

LEIA MAIS

EDIÇÃO 170 - SETEMBRO/OUTUBRO 2019

Diante deste quadro, educar a nova geração em um país que enfrenta essa realidade converte-se em um desafio.

Debates sobre valores devem sempre existir no ambiente escolar, pois a escola deve ser um lugar onde os valores morais precisam ser pensados, refletidos, através do desenvolvimento do diálogo. Pois, os métodos moralistas afastam os alunos dos valores a serem aprendidos. Regras, como justiça, democracia, respeito próprio e solidariedade devem ser experimentadas na escola.

A crise moral vivenciada no país, refletida na econômica e política, também é uma realidade. Essa falta de moralidade existe também porque a família está desestruturada. Para combater essa crise moral, um elemento chave que não pode ser olvidado é a família. A família é o núcleo que proporciona referências às crianças, preparando-as para enfrentar o mundo, e, uma vez influenciadas devidamente, tornarem-se agentes de mudança.

No ambiente familiar, as pequenas indiscrições devem ser evitadas pelos pais, pois as crianças aprendem com o que veem. O famoso “faça o que eu mando, não o que faço” não funciona na educação da nova geração, pois ela tende a observar o comportamento dos pais e a imitá-lo. Adultos que mentem perto da criança e depois a repreendem, criam uma situação de embaraço e insegurança por deixá-la sem um modelo firme de conduta. Na educação da criança ações falam mais alto do que palavras. A presença dos pais na vida dos filhos, transmitindo com palavras e exemplos, valores morais como honestidade, gentileza, responsabilidade, solidariedade, faz toda a diferença na educação e formação da nova geração, mesmo num país dominado pela crise moral. Valores como esses transformam as pessoas e as pessoas transformam o mundo. A coerência é a base de qualquer ensinamento à criança.

Na educação à nova geração, a Palavra de Deus deve ser o manual, pois expõe com clareza aquilo que o homem é, não deixando nada encoberto. A Bíblia aponta o mal e a raiz deste. Conselhos bíblicos expõem os erros e apontam a solução; é a maneira mais acertada de corrigir o que está equivocado. É um espelho que mostra o defeito, mas também tem o poder de corrigi-lo e  de purificar o coração. O próprio Senhor Jesus foi quem disse: “Vós já estais limpos pela Palavra que vos tenho falado”.

VALERIA MESSIAS LIMA

moedas.png

Seus investimentos demonstram suas maiores intenções

Qualquer pessoa em sã consciência não investiria na mentira, pois como diz o ditado a mentira tem perna curta, mas o que podemos ver em nossos dias são pessoas acreditando mas na mentira do que na verdade

LUIZ HENRIQUE DE PAULA

A corrupção que corrói a qualidade de vida

Isaías era um profeta da corte e circulava entre os monarcas de sua época. Ele sabia muito bem o que acontecia nos bastidores da política, ou melhor, da politicagem corrupta do seu tempo.

Marcos Quaresma

qualidadevida_luizhenrique.jpg

Uma ideia divina
   
 Alcindo Almeida

Vencendo o ciclo vicioso do jeitinho

    Stelio Rega

 

Qual é a minha forma?
    Marcos Antonio Garcia

 

Corrupção e as finanças
 
   Paulo de Tarso

 

A corrupção é combatida com a espada do Espírito
    Giovani Zimmermann

 

Como educar a nova geração
    Valéria Lima

Quando a corrupção atinge diretamente a família   

     Adriel de Sousa Lima

  • Twitter Clean
  • w-facebook
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now