1/1

EDIÇÃO 173 - JANEIRO/FEVEREIRO 2021

Capa_LC172.jpg

LEIA MAIS

 ano 32  |  n.º 173

Por que meu marido e eu nunca oramos      juntos?
    Jaime Kemp

Já é hora de dormir
    Roiyce Johnson

 

Filhos, ensina-nos a orar
    David Merkh

 

O sofrimento como fator de união 
   da família

    Debora Kornfield

 

Orando por nossos filhos
    Judith Kemp

 

Luzes na escuridão
    Joseph Stowell

 

Quando as orações não são respondidas
    John Walyoord

 

Oração em família, parte integrante 
   do dia a dia

    Jasiel e Ivone Botelho

 

Por que Satanás odeia a família?
    Valdeci Santos

 

Uma lição aos pequeninos
    Carlos Eduardo Farias

 

Comunicação interpessoal – 
   Autenticidade + Transformação 
   + Comunicação

    Marcelo Fraga

Tenho encontrado, cada vez mais, pais desesperados. Eles sofrem, choram, por filhas solteiras grávidas, por filhos que saíram de casa e não deram mais sinal de vida, alguns envolvidos em drogas, sexo, atividades ocultistas e muitas outras coisas de arrepiar os cabelos.
Pais, coragem! Deus tem uma resposta para a situação de seu filho, seja ela qual for! Ele deseja acolher em seus braços os filhos perdidos, desintegrados, E, para que essa obra se realize, Ele precisa de nossas orações!


Há algum tempo o ministério Lar Cristão realizou uma pesquisa sobre a oração em família e os resultados foram surpreendentes. Apenas 1% dos entrevistados oram juntos diariamente; 8% oram de duas a quatro vezes por semana e outros 8% oram semanalmente. O restante, simplesmente não ora junto. Não é de se admirar, então, do porquê de tantas famílias não conseguirem resolver seus problemas e decidirem separar-se. Muita gente conhece aquele ditado que diz: “A família que ora unida permanece unida”. Não vamos ser simplistas dizendo que isso é sempre verdade, pois não é, mas as possibilidades que venha a ocorrer é maior do que em outras situações.


Quando casais se “conectam” com o poder do Criador do Universo começando a interceder por suas vidas e famílias, os filhos passam a ver seus pais dando prioridade à oração e, então, também são motivados a orar. Quando as famílias conseguem ver as mãos de Deus através de orações respondidas, a fé de todos é fortalecida. Os filhos aprendem a confiar em Deus ao ouvirem sobre a fidelidade dele através de seus pais.


É difícil criar filhos nos dias de hoje. Precisamos de sabedoria divina, orientação e “jogo de cintura” para poder lidar com todo o leque de situações que surgem.


Olhando para essa tremenda dificuldade e desafio, dedicamos essa edição ao assunto “Oração em Família”: casais orando juntos, orando com seus filhos, orando por seus filhos; famílias orando juntas em momentos de sofrimento e de alegria, etc.


É nosso profundo desejo que esta edição provoque “pique”, motivação e ação em nossos leitores, a ponto de propiciarem à suas famílias uma vida de oração mais interessante e eficaz.

Jaime Kemp

 A sobrevivência da família na pós-modernidade